Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘ladrão’

 

Mesmo sendo membro ativo de uma congregação abençoada, minha visão é de Reino, e não de placa.

Vou externar um pouco minha opinião e comportamento sobre a questão do dinheiro, para que fique claro que não defendo ninguém, a não ser a Palavra.

Nas minhas orações, é muito raro pedir a Deus alguma benção financeira ou material: antes de tudo, peço misericórdia e perdão, além de forças para continuar em pé. Peço pela minha família, pelo meu casamento, pela minha igreja, pelos amigos e colegas de trabalho, pelo país, pelo Corpo de Cristo (O corpo verdadeiro e Único que vai ser arrebatado) etc.

Eventualmente, peço alguma benção material, pois Deus é meu Pai; mesmo que Ele saiba de tudo o que precisamos, vez por outra damos uma  relembrada de nossas necessidades físicas. Entrego meu dízimo e faço ofertas, não só em meu ministério, como em outros, bem como na vida de outras pessoas.

Meu maior bem, o que de mais valor poderia angariar nessa vida, já consegui, que é a Pérola preciosa de que Jesus falou em Mateus 13:45. É o próprio Jesus!

Não precisa ser muito bom observador para notar que tem sido dada uma ênfase excessiva à busca pelas bençãos materiais em muitas denominações evangélicas. Como diz o jargão: “Buscam as bençãos, mas se esquecem do abençoador.”

Não sei se há alguma estatística que comprove, mas penso que muitos, hoje em dia, chegam às Igrejas em épocas de escassez ou necessidade:  desemprego, doenças graves  etc.

Infelizmente, poucos fazem como o Rei Asa, que edificou cidades fortes enquanto a terra estava quieta e não havia guerra, porque o Senhor havia dado repouso (2Cr. 14:6). Muitos buscam a Deus só no calor da guerra, quando o sangue esquenta, e o desespero, muitas vezes, bate à porta. Será possível começar a se preparar para uma batalha sabendo que o inimigo está logo à porta?

Com o exemplo de Asa aprendemos que devemos buscar o Senhor HOJE, pelo que Ele É, e não esperar o dia da adversidade chegar para buscá-Lo pelo que Ele pode FAZER.

O pior é que muitos buscam a benção,  e, quando a encontram, dão as costas e não voltam para agradecer e adorar a Jesus. Não foi assim que aconteceu com os 10 leprosos curados por Jesus? Somente um voltou para agradecer…

Devemos ensinar – a todo tempo – as pessoas a buscarem e adorarem a Deus. Se alguém começa a ir na igreja buscando bençãos, o que ela irá buscar depois que alcançá-las? Ela consegue o carro, a casa, a cura, o casamento, o emprego, o que mais ela vai precisar buscar lá? Nada!

Agora, se buscamos ao Senhor, o adoramos em espírito e em verdade, podemos comprar casa, carro, ter bom salário, estar bem de saúde, que continuaremos tendo um motivo maravilhoso para continuar na igreja: o próprio Deus!

Entendo a indignação dos que pregam (às vezes até de forma muito agressiva, outras, até chula) contra esse Evangelho demasiadamente “materializado”, mas declarar que tal pessoa ou denominação não é evangélica ou cristã porque fala insistentemente em ofertas e dízimos não tem respaldo bíblico. Uma coisa é apontar um erro, outra é declarar que alguém não é cristão.

Não podemos esquecer que a prática de pedir dízimos e ofertas é comum na maioria das igrejas evangélicas.

E o pior, saiba você, pastor ou cristão que para a maioria das pessoas que estão de fora da igreja todo mundo que pede dízimo e oferta é farinha do mesmo saco, quer peça de forma mais sutil, ou mais agressiva, estipulando valor de oferta. Para muitos, basta pedir dinheiro na igreja para ser considerado ladrão…

O que fazem é semelhante a dizer que uma denominação não é evangélica porque não envia missionários, ou então porque não auxilia materialmente os pobres. Uma coisa é ensinar, outra é decidir quem é cristão.

Penso também que devemos ter uma visão sensata e bíblica do dinheiro e das riquezas. Não há na Bíblia nenhum versículo que diga que ser rico é pecado. No entanto, Jesus, em diversas vezes, nos alertou quanto aos riscos  e perigos da riqueza. Paulo também manda dizer aos ricos deste mundo “que não sejam altivos, nem ponham a sua esperença na incerteza das riquezas, mas em Deus que nos concede abundantamente todas as coisas para dela gozarmos.” 1Tim 6:17

Quem desagrada a Deus é aquele que “para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus.” Lc. 12:21

É óbvio que o nosso foco deve ser Jesus, buscando primeiro o seu reino e a sua justiça, e todas as outras coisas serão acrescentadas. (Mt.6:33)

O dinheiro não é a raiz de todos os males, como alguns errôneamente apregoam; o amor ao dinheiro o é (1 Tim. 6:10).

Não há dúvidas que muitos se corrompem – e se esquecem do caminho -na busca desenfreada por dinheiro. Mas quem julgará o coração do homem, senão Deus? Como saber se um rico tem ou não o coração em Deus?

O problema da teologia da prosperidade é querer atribuir a Deus um mero papel de abençoador, uma espécie de Papai Noel espiritual, que deve dar tudo o que o crente pede. Não! Devemos pedir. E pedir da maneira certa, e não para gastar em nossos prazeres e deleites.

O segredo da prosperidade é estudo, trabalho e a benção de Deus. Infelizmente, muitos estão sendo ensinados que basta ofertar e fazer campanha para ficar rico. Mas isso é assunto para outro texto.

Grande abraço, na fé, e esperando encontrá-los na Jerusalém espiritual,

Broder James

Anúncios

Read Full Post »